sexta-feira, 5 de setembro de 2008

Danilo Cerezini em quatro semanas pela Europa!

Texto: Felipe Ventura
Fotos: Pablo Vaz

Muita gente se lembra do menino prodígio do skate, que, no passado, saiu do interior do Paraná com o irmão para ajudar a elevar o nível do esporte no Brasil no começo desta década. De lá para cá muita coisa mudou, o menino cresceu e hoje é considerado um dos grandes nomes do cenário do skate mundial. Já teve participações memoráveis em vídeos clássicos, ganhou inúmeros campeonatos e viajou por boa parte do globo vivendo o sonho de andar de skate em picos de diversos países. Essas viagens lhe trouxeram grande experiência, cultura, respeito e, pela humildade, elementos suficientes para lhe garantir toda a bagagem necessária para se tornar um profissional de reconhecimento no skate mundial. Isso é apenas o começo de uma longa viagem.


Switch f/s bluntslide na Polônia

Dinamarca

Planejada em poucas semanas, a viagem teve como ponto de partida a cidade de Copenhague, na Dinamarca. A equipe formada para a missão consistia de: Danilo Cerezini, o fotógrafo Pablo Vaz, o videomaker Thomas Winkle e eu, Felipe Ventura. Chegamos todos no mesmo dia, vindos de diferentes partes do mundo e, após longas horas de viagem, fomos atrás de um lugar para relaxar. O Danilo sugeriu irmos para um lugar chamado Christiania, uma comunidade alternativa bem no centro da capital dinamarquesa. Nada como estar com os amigos e observar novas culturas. “É bom ver um lugar onde o respeito é 100% mútuo, isso te faz pensar”, relata Danilo. Auto-sustentável, a comunidade tem como principal esporte o skate: “Acho que isso acontece por sermos os mais livres dos desportistas e os mais capazes de lidar com os diferentes tipos de situação, cultura e sempre fazendo isso da maneira mais humilde possível”, filosofa Cerezini.


Switch fs 180 para crooked grind na Alemanha

A Dinamarca é o perfeito exemplo de como um país pode dar plena liberdade aos cidadãos quando eles sabem como não abusar do mesmo e, principalmente, quando eles sabem respeitar o próximo. “Esse choque cultural positivo foi um ótimo começo de viagem.” Não bastassem essas qualidades, adicione a tudo isso a um evento muito bem organizado, com ótima estrutura, com amigos se divertindo e muito bom humor. Dessa forma, fica fácil entender como Danilo conseguiu ser 100% autêntico e andar de skate da forma mais relax durante todo o fim de semana, para assim ganhar praticamente tudo no campeonato: “Todo esse clima de descontração foi uma grande influência para que eu me saísse bem no campeonato e tivesse um fim de semana épico, tanto andando de skate na pista ou saindo de balada. Fiz tudo, divertindo-me com meus amigos”.


Na sequência: Switch fs 180 para crooked grind na Alemanha

República Checa

Em nome de todos os skatistas que já estiveram em Praga, posso dizer que sete dias nunca é o bastante por lá. A cultura desse país, que um dia não foi livre sequer para pensar, é vasta, e parece que mesmo 18 anos após a queda do comunismo, as pessoas ainda estão empolgadas com a liberdade obtida e pelo visto o Danilo também: “Esse foi meu terceiro ano em Praga, e parece que a cada vez eu me sinto mais em casa”. É fácil entender por que o Danilo se sentiu assim, já que as pessoas por lá parecem apreciar mais seu skate e personalidade a cada ano que passa. Suas linhas na famosa praça Stalin fazem todos parar para observar o estilo quase impecável de andar no carrinho. “ Por essas viagens pude ver o crescimento do skate de uma maneira diferenciada. É bom voltar a um lugar ond já estive antes, como Praga, e ver que as coisas melhoraram e que talvez eu tenha ajudado nesse crescimento”, comenta.

O Danilo é um cara que consegue inspiração para andar de skate de coisas que nenhuma outra pessoa imaginaria. Por exemplo: sua cabeça funciona muito melhor para andar após uma tarde nadando com os amigos num lugar perdido no interior da República Checa, do que se ele estivesse praticando na pista do campeonato ou na rua o dia inteiro. Sua inspiração depende quase exclusivamente do quanto ele está se divertindo. É raro encontrar alguém que consiga andar melhor de skate depois de uma boa balada com os amigos do que após uma boa noite de sono.


Caballerial bs noseblunslide na Polônia.

Polônia

Talvez esse tenha sido um dos países que mais sofreram com o comunismo e com a Segunda Guerra Mundial. “Acho que todo esse sofrimento acabou por tornar as pessoas um pouco amargas ao primeiro contato”, afirma Danilo. Mas não há nada que sua vibe positiva em cima do skate não ajude. Sendo assim as coisas ficaram muito mais fáceis para nós e até as pessoas acabaram mais amistosas: “O fato de ser brasileiro ajuda muito na hora de me socializar com pessoas de outros países”. A Polônia é um país difícil de se situar por toda a história de sofrimento por que o paísl passou. É preciso ter uma cabeça aberta para entender certas coisas que aconteceram por lá. “Eu ainda não me dei conta de tudo o que está acontecendo comigo por causa do skate. E nem espero dar conta tão cedo, pois adquirir conhecimento e cultura nunca é demais. Não quero que minha evolução tenha limites. Quero ser livre pra fazer o que amo e estar com a cabeça aberta pra entender o mundo!”, completa Cerezini.



Talvez não sejam muitos os profissionais que prefiram andar ao lado de garotos locais numa quadra com obstáculos construídos por eles a sair à procura de picos inéditos para missões solitárias. E com esse tipo de atitude se percebe por que o Danilo conquista novos fãs por onde quer que passe. “Acho que a melhor maneira de aprender uma cultura ou se sentir bem em um lugar que nunca estive antes é conviver com os locais, podendo ver as coisas pelo ponto de vista deles, colher as experiências positivas que eles têm a oferecer e aplicar isso em minha vida.”


Lituânia

Provavelmente, vai ter muita gente se perguntando onde é que fica esse país e como a gente acabou indo parar lá. Bem, é simples. A eterna busca por lugares novos para andar de skate nos guiou até a Lituânia.

“Graças ao skate, posso conhecer lugares de que eu só ouvia falar na escola e onde eu nunca imaginei estar, ainda mais fazendo aquilo que amo!”


Nollie fs nosebluntslide reverse na Lituânia. Confira a sequência na SKT de setembro 2008.

O país fica no Leste Europeu e também foi dominado pelo comunismo, mas, ao contrário da Polônia, tem um povo muito amistoso. Podemos falar pelos jovens, pois os mais velhos talvez por não entenderem bem o que é o skate, acabaram deixando a polícia local em estado de alerta sobre nossa presença. Até o ano passado, o ex-prefeito da capital Vilnius fazia vista grossa para a prática do esporte, mas o atual prefeito já é mais linha dura. Dizem que é um velho comunista. Ou seja, o skate acabou por ser marginalizado nas ruas da cidade. Normal, mas na visão do Danilo, para quem logo mais até os países pequenos como a Lituânia irão se render à nossa cultura: “O skate é um esporte que está aí no mundo, crescendo cada vez mais e tem que ser respeitado. Se cada um fizer sua parte, vamos conseguir mostrar o que realmente é o nosso estilo de vida e, aí, nada vai nos fazer parar. O que não pode é ter gente querendo vender nossa cultura somente em nome do dinheiro”.

A maior surpresa dessa parte da viagem foi encontrar alguns skatistas à espera da nossa tour. Eles ficaram sabendo da nossa passagem por lá no blog da viagem, e acabaram por nos encontrar na praça principal da cidade, logo depois dos nossos problemas com a polícia local. Ao deparar com os skatistas, Danilo comentou: “Nesses países onde o skate ainda é um esporte pequeno, a galera acaba dando muito mais valor para um skatista estrangeiro. É legal ver essa empolgação, conversar com a galera, sentir que estou levando uma inspiração para eles continuarem andando de skate”. Com a sorte a nosso favor, os locais acabaram por nos mostrar um pico incrível, e para agradecer, o Danilo gravou seu nome na borda de mármore, no que mais parecia uma pequena demo, tamanha a empolgação e a curiosidade dos locais. A essa altura já não é mais necessário dizer que o clima cordial da cidade combinado com as lindas garotas locais e os picos incríveis deixaram o Danilo mais do que inspirado.

Alemanha

Tenho de admitir que a essa altura da viagem, já estávamos um pouco cansados, porém ao chegarmos a um pico secreto e perfeito na cidade de Frankfurt, pude sentir o quanto o Danilo se dedica a fazer aquilo de que gosta. Horas e horas andando sem parar mesmo após três semanas de puro skate não é para qualquer um. “A melhor parte dessas viagens é estar colhendo os frutos da minha dedicação como skatista”, afirma o inspirado e incansável Cerezini.



Na Alemanha, as coisas fluíram de uma forma mais suave, sendo assim, conseguimos relaxar e fazer um balanço sobre toda a viagem. A Europa é um continente de muitos contrastes, e nesse mês viajando, o Danilo conseguiu se adaptar muito bem a todos os lugares pelos quais passamos. “Vejo o mundo de forma diferente por causa do skate. Não encaro como um turista qualquer, pois estando em um país para andar de skate, eu me sinto mais perto do que realmente o lugar é, e não apenas o que ele aparenta ser.”

Ao final de tudo, dá para afirmar que viajar com o Danilo é algo fácil, pelo simples fato de ele ser um skatista como você ou eu, sem frescuras, sem complicações, colocando os amigos, o skate e a diversão em primeiro lugar. Um cara autêntico no que faz e que sempre respeita tudo ao seu redor. “Essa viagem foi diferente por ter sido feita apenas entre amigos, para mostrar para a galera até aonde um skatista pode chegar, já que foi a gente mesmo que organizou tudo. Foi ótimo poder quebrar a rotina das tours com demos, sessões de autógrafos e fazer as coisas sem pressão, por puro amor.”

Ao ler essa declaração, é bom ver como esse jovem skatista representa orgulhosamente o Brasil por onde quer que passe, seja por suas idéias ou por seu skate.


E o melhor fica pro final: Switch flip fs bluntslide na Espanha!!!

“Agradeço a minha família pelo apoio desde o começo, aos meus patrocinadores, ao Felipe pela entrevista e pela viagem, ao Pablo e ao Winkle. Também agradeço à galera que admira meu skate e a todos os parceiros de verdade, que me inspiram e estão no meu coração, vocês sabem quem são. Valeu Ticão, Furacão e Passarinho (risos). E não esqueçam de conferir a entrevista toda, na edição de setembro da Revista SKT, que já está nas bancas!!! Valeu.

Danilo Cerezini 2008.

3 comentários:

marcelo disse...

Parabens danilo...fonte de inspiracao eh mato!!!!
PAZ!!!!

Anônimo disse...

in english please:)

raul disse...

as foto naum aparece danilo...

é fonte de inspiração